Este blogue consta de uma compilação de retratos da natureza e intervenção humana em ambiente rural e urbano que O Cidadão abt vai capturando com a sua objectiva durante as caminhadas, será despejada neste blogue de muitos píxeis e poucos bitáites, dando ao ciberleitor a possibilidade de clicar sobre cada uma das fotos e de seguida na tecla F11 para melhor as poder desfrutar em ecrã total... Ligue o som e... passe por bons momentos!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

CIDADELHE

Numa tarde quente de verão cá o Cidadão abt foi visitar o seu homónimo de Cidadelhe, no Concelho de Pinhel do Distrito da Guarda, concluindo de antemão que o dito cujo Cidadão de Cidadelhe não é tão jeitoso quanto este, factor que o deixou um pouquito mais tranquilo...
De rosto triangular, testa proeminente, olhos avantajados, membros longos e esguios... pairando sobre uma esfera... assemelhando-se a São Sebastião, assim é o misterioso Cidadão de traços alienígenas... talhado em baixo relêvo num bloco de granito encontrado algures entres as fragas rochosas do rio Côa...
...provávelmente durante ano de 1656, se fizermos fé na inscrição do pilar direito do arco erguido ao lado do campanário da aldeia...
Aquele Cidadão foi disputado entre as gentes do Povo de Baixo e as do Povo de Cima... Cidadelhe é dividida por uma fronteira imaginária...
Se treparmos a escadaria por debaixo do Cidadão iremos dar ao patamar dum campanário...
... de onde avistamos um deslumbrante casario medieval a perder de vista diluindo-se na paisagem do vale do Côa e ao fundo desta imensidão, a cordilheira da Marofa limitando o horizonte com a Serra do Cerejal, a Serra da câmara, o Monte de São Marcos e o Monte do Penteado.


Tudo ali é granito... 
As casas são granito...






A fonte é granito...
As paisagens são granito...

 Os pombais são granito...


As ruelas são granito...






Os caminhos são granito...
Só o Palio de 1707 não é granito... Esse tesouro de veludo bordado a seda, prata, ouro e estanho, está envolto em alvo lençol religiosamente escondido algures num caixotão de madeira que em rituais secretos vai transitando de casa em casa...
“Pão com olhos, queijo sem olhos e vinho que salte aos olhos”... é o provérbio local que nos dita a hospitalidade de Cidadelhe.
Ao Povo de Cima designa-se por Eiras, talvez porque estando o ventoso local mais exposto ao Sol, se adequava à malha dos cereais, constituindo-se o Povo de Baixo por um enorme casario talhado em tosco granito servido por ruelas pedregosas...
A quinhentos e vinte metros de altitude, entre as escarpas rochosas do Vale do Côa e do Vale do Massueime, encontramos o calcanhar do mundo...
É um dos fantásticos cantinhos da Grande Rota do Vale do Côa a visitar, classificado como Património Mundial da Humanidade.

7 comentários:

Maria Marques disse...

Ora vamos lá ...para os pessimistas ,para os descontentes portugueses...aqui temos estas imagens a recordar que o nosso país é maravilhoso.
O cidadão abt tem contribuído muito para dar a conhecer esses recantos maravilhosos que tantas vezes passam despercebidos!

Um abraço.

Maria Marques

O Cidadão abt disse...

Olá, Maria Marques,

O nosso país de facto é maravilhoso mas é pena que estas imagens retratem a desertificação do seu interior.

Pelo constatado ao longo dos caminhos, há uma geração mais idosa que regressa às origens onde aplica as poupanças das suas reformas na reconstrução das habitações de herança e uma outra geração mais nova que não sendo dessas origens, faz questão em recuperar as casas típicas das regiões onde se vão instalando e por lá sentem estar num cantinho da Lua!

É a fusão de gerações e de duas culturas... a urbana e a rural!

Obrigado pelas suas bitáitadas!

Aqui - Ali - Acolá disse...

Imagens belas estas que aqui estão postadas e que retratam bem o quanto lindo existe por este país e que não é divulgado.

Assim se vai conhecendo algo de muito belo através deste Blogue que com o empenho que lhe é dado neste aspecto, enriquecendo também as mentes e a vista de quem aprecia estas maravilhas.

E daqui vão mais algumas para o meu cofre de imagens as quais, agradeço ao Cidadão abt.

Parabéns por estas relíquias desconhecidas cá da minha parte.

Xau e o flash sempre em ordem para que aqui se possa ver mais maravilhas como até aqui tem sido postadas.

O Cidadão abt disse...

Ciber Aqui-Ali-Acolá!

São fotos boas para a vista e para a alma, retratos das raízes de um povo.

Quando cá o Cidadão saca mais umas fotos até já comenta:
"-O Aqui-Ali-Acolá vai gostar destas," ao que raramente se engana!

Lol!

Sirva-se, e bom apetite!

Mui agradecido pelos seus bitáites.

Tramagalense disse...

Boas Cidadão

Quero salientar deste grupo de fotos a penúltima que acho de óptima qualidade. Sem dúvida uma das melhores.

cumprimentos

Dylan disse...

Fantástico, Cidadão! Obrigado por dar a conhecer este blogue maravilhoso. Vou já "linkar".

O Cidadão abt disse...

Meu cibercaro Dylan!

Nas entranhas deste Cidadão habita o espírito da montanha, dos planaltos beirãos e do granito, naturalmente porque as suas raízes são dessas paragens.
Um nostálgico Cidadão perdidamente apaixonado pela mãe Natureza e pela imensa riqueza das raízes culturais deste povo mistelado de celtibero e muçulmano.

Também algo de bem humorado se em demandas de um crocodilo perdido...

http://ocidadaoabt-cronicas.blogspot.com/2011/07/o-crocodilo-primeiro-episodio.html

Muito obrigado pelo seu comment's que em boa hora despejou nesta caixita dos pirolitos!!