Este blogue consta de uma compilação de retratos da natureza e intervenção humana em ambiente rural e urbano que O Cidadão abt vai capturando com a sua objectiva durante as caminhadas, será despejada neste blogue de muitos píxeis e poucos bitáites, dando ao ciberleitor a possibilidade de clicar sobre cada uma das fotos e de seguida na tecla F11 para melhor as poder desfrutar em ecrã total... Ligue o som e... passe por bons momentos!

domingo, 11 de setembro de 2011

QUIETUDE

Durante os dias 9, 10 e 11 de Setembro decorreu o II Festival de Estátuas Vivas de Tomar.
Foram dezoito, os quadros alusivos à História de Portugal, desde a Lusitânia até ao 25 de Abril de 1974. No final da visita clique aqui e poderá visualizar as fotos do I Festival de Estátuas Vivas realizado no ano de 2010

Ano de 140 antes de Cristo – Lusitânia

Viriato

Ano de 1147 – Conquista de Lisboa
 Martim Moniz



Soldado Mouro


Ano de 1190 – O Cerco Muçulmano a Thomar
D. Gualdim Paes
Rei de Marrocos Califa Abu Yusuf Ya'quib al-Mansur

Ano de 132... – O Milagre das Rosas

Rainha Santa Isabel
Rei D. Dinis
Os Nabantinos
Ano de 1348 – Peste Negra

Vítima

Médico
Ano de 1385 – Padeira de Aljubarrota

Brites de Almeida limpando o sebo a um dos sete castelhanos


Ano de 1427 – Os Achamentos portugueses


Infante D. Henrique
Diogo de Silves
Ano de 1488 – Cabo da Boa Esperança
Bartolomeu Dias


Jan Van Riebeeck

Ano de 1498 – Chegada a Calecute

Samutiri Manavikraman Rajá, o Samorim de Calecute

Vasco da Gama
Ano de 1525 – Dona Catarina de Áustria e D. João III de Portugal



Ano de 1536 – Inquisição
Inquisidor do Santo Ofício
Feiticeira
Ano de 1761 – Abolição da Escravatura
Escravizador
Escrava


Ano de 1834 – Triunfo do Liberalismo

Soldado Liberalista

Soldado Absolutista

Ano de 1908 – O Regicídio

Rei D. Carlos
Manuel dos Reis Buíça





Ano de 1910 – Implantação da República
Ilda Pulga – O Busto
Carbonário
Ano de 197... – Conversa Amena

Lopes Graça
Nini Ferreira
Ano de 1974 – Revolução 25 de Abril
O soldadinho e a florista

9 comentários:

Tramagalense disse...

Boas Cidadão

Um belo conjunto de fotos sobre uma iniciativa que considero muito boa. Gostava, no entanto, de fazer um observação: - Dá-me a ideia de que a estatua de Viriato é mais parecida com um centurião romano do que um combatente rural Serra da Estrela. Não penso que os valentes conbatentes lusos tivessem armaduras tão sofisticadas como esta, nem talvez escudo de metal. Madeira talvez.

Cumprimentos

O Cidadão abt disse...

De facto caro Tramagalense...

Dá a impressão que, ou os figurantes e respectivo staff desconhecem a história ou foram resgatar a fatiota de um centurião romano... Imberbe... e a crista fica-lhe mesmo a matar!

Também os muçulmanos se nos deparam bastante coloridos... Em princípio vestir-se-iam predominantemente de branco!
Quanto ao regicídio, cá o Cidadão, com a sua pancadola e boa disposição, exclamou em alta voz:
"Olh'ó Buiça!" Ao que os transeuntes se quedaram muito admirados, desconhecendo ao que este praça se referia!

Uma comédia!

"Ó pessoal! Vocês queriam ver por aqui o Cristiano Ronaldo ou o Paulo Futre que vai vir charter's da China? Era?!Isto retrata o regicídio e aquele tipo ali foi quem deu ao gatilho!"

Aí, ficou tudo com ar de caso...

Uma outra questão dirigida cá pelo ignorante do Cidadão ao erudito da organização que estava perto de um quadro...

-"Desculpe a minha dúvida... aquele é o Bartolomeu Dias que dobrou o Cabo da boa esperança... mas... o outro com ar de estrangeiro.. de quem se trata?"

-São dois marinheiros...

"-O do monóculo não é um navegador holandês de renome que se ficou pela África do Sul??!"

-Não! São dois marinheiros!

Respondeu o cicerone com ar de polícia austero...

"-Não será um tal Van de Riebeek ou qualquer coisa assim?!"

-Desculpe, mas quem é o senhor?! Se quiser saber, consulte o site estátuas vivas.ipt!

"-Outra porra!..."

Escusado será frisar que foi uma fartada de tímidos risos...

Mas prontes... sempre distribuíram curiosidade... um pouco mais de cultura e instantes espectaculares para a fotografia foram proporcionados ao pessoal!

Haja boa disposição e volte sempre!

Artur disse...

Como iniciativa cultural este festival foi excepcional e trouxe bastante gente e dinâmica às ruas e comércio de Tomar.
No que respeita à temática abordada, afigurou-se-me bastande direccionada a um leque de população leiga nas matérias, porquanto alguns dos quadros alusivos à História de Portugal divergiram bastante da lenda da tradição e dos factos.

Aqui - Ali - Acolá disse...

Viva Cidadão Buenos Dias:

Esta iniciativa eu não soube disto porque decerto não ia faltar, informação sobre tal não vi em qualquer lugar que desse destaque a isto mas, nem tudo se pode vasculhar para se poder saber deste evento mas sendo assim, está aqui bem representado nestas fotos o que foi este grande evento.

Não há dúvida que estas fotos estão espectaculares, mais coisa menos coisa que não esteja bem a preceito com a época, não tira valor ao que aqui se vê pelas fotos.

E agora pergunta-se:

E por cá vê-se disto?
O que se vê por cá é cada vez mais tristeza e abandono desta cidade que é uma vergonha de tão porca estar actualmente como nunca se viu.

As ruas é um nojo em certos lugares onde tão frequentados são diariamente, passeios, jardins, sarjetas contentores etc., etc. é demais, tem ruas que até cheira mal ao passar nelas.

Uma coisa nunca vista aos olhos de quem à anos aqui vive e nunca viu tal coisa por cá.

Destas fotos, claro que algumas vão para o meu álbum de recordações pois elas estão esplêndidas.

Uma se destaca (para mim claro) que é a penúltima, (Apetece-me uma Revolução).

E não é que a verdade está aí?..

Parabéns por este belo post que mostra bem o gosto por aquilo de que se gosta.

Xau xau e que o flash esteja sempre pronto a disparar e nos dar aqui o bom desses disparos.

Tudo bom e boa saúde.

Joaquim disse...

Talvez nesse dia o Viriato tivesse confiscado o escalpo e a armadura a algum romano. Cingindo-me ao quadro do 25 de Abril, no meu entender parecia mais elucidativo que sobre a chaimite ou junto desta, de megafone ou G3, estivesse a estátua do Capitão Salgueiro Maia, à semelhança do representado por exemplo em Santarém. O "apetece-me uma revolução" não se coaduna com o culminar de Abril. Uma revolução não nasce de um apetite mas sim de uma necessidade. O "apetece-me algo", está conotado com uma satisfação individual e não com uma convulsão social. O "apetece-me" caracteriza o espírito desta geração que encontra tudo feito e tudo lhe vem cair às mãos.

Resumindo, está aqui apresentada uma excelente fotoreportagem respeitando a ordem cronológica dos quadros alusivos aos acontecimentos históricos, sendo mais um excelente trabalho do cidadão abt!Parabéns pela sua tenacidade!

Fátima disse...

Excelente trabalho!

@tento disse...

Os seus blogues são todos eles uma provocação sensorial, um apelo à visão e à audição e uma chamada ao cognitivo do ser humano.Em cada artigo, uma lufada de fresquidão.

O Cidadão abt disse...

Trasncreve-se:

«O quadro "Tertúlia Tomarense", com Fernando Lopes-Graça e Nini Ferreira, foi eleito pelo público como o melhor quadro do 2º Festival de Estátuas Vivas que se realizou, entre 9 e 11 de Setembro, em Tomar. Interpretado por Rui e Guilherme Ferreira, recolheu a preferência de 368 pessoas entre 1849 votos contabilizados.

O quadro que evocava a "A Peste Negra" ficou (324 votos) em segundo lugar e a "Abolição da Escravatura" em terceiro (218 votos).

Os vencedores foram anunciados pela organização no domingo, 11, já passava das 20h00.

De acordo com a vereadora da Cultura da autarquia tomarense, Rosário Simões, esta segunda edição conseguiu superar a fasquia dos visitantes do ano passado, estimando que 120 mil pessoas tenham passado, durante os três dias do evento, por Tomar.

A iniciativa insere-se no projecto Máquina do Tempo, que resulta de uma parceria entre o Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvaro Pereira, câmara municipal, Convento de Cristo, (IGESPAR) e Instituto Politécnico de Tomar.

As estátuas regressam em 2013.»


In semanário"O MIRANTE"

Maria Marques disse...

Amigo cidadão:
As suas fotos retratam muito bem as cenas históricas recreadas na linda cidade do Nabão .
Se ,no ano passado ,este evento atraiu milhares de visitantes,neste ano ,conseguiu reunir muitas mais pessoas....e valeu a pena .Impressionante mesmo ,a arte das estátuas vivas ,além da bela música erudita ,no coreto ,junto ao rio .Em todos os cantos da cidade havia um cheirinho a História...E ...felizmente que a TVI não fez uma das suas aparições pimbáticas .

Um abraço

Maria Marques